"No próprio dia da batalha, as verdades podem ser pinçadas em toda a sua nudez, perguntando apenas;
porém, na manhã seguinte, elas já terão começado a trajar seus uniformes."

(Sir Ian Hamilton)



quinta-feira, 11 de agosto de 2016

A INSPIRADORA HISTÓRIA DE KYLIE WATSON


A história da jovem paramédica de combate Kylie Watson,  condecorada com a Military Cross por atos de bravura durante a Guerra do Afeganistão.


Quando a cabo Kylie Watson foi chamada ao escritório de seu oficial comandante sem nenhuma razão aparente, temia o pior. "Você sabe por que está aqui?", perguntou o chefe à paramédica de combate. “Estou com problemas, senhor?", ela perguntou. "Não", ele disse a ela. “Você foi condecorada com a Military Cross”.

A militar de 23 anos de idade, cujo turno de combate na província de Helmand, no Afeganistão, foi o seu primeiro como paramédica de combate qualificada, estava atordoada. “Tem certeza que está falando com o soldado certo?", perguntou ela. Mas não havia erro. O extraordinário heroísmo que ela demonstrou, por duas vezes, correndo em direção ao fogo das armas dos Talibans para tratar camaradas feridos tinha sido reconhecido com uma das mais altas honrarias do Reino Unido.

E agora, a cabo Watson do Real Corpo Médico do Exército – do alto de seus 1,55 cm - é uma das apenas quatro mulheres na história a terem o direito de ostentar as cobiçados iniciais MC (Military Cross) após seu nome.

"Ainda parece extraordinário para mim", diz ela, falando do quartel de Invicta Park, em Maidstone, Kent. "Eu acredito que qualquer pessoa com um coração humana batendo dentro do peito iria tentar ajudar o outro que tinha sido ferido. Soldado da coalizão, guerreiro do exército afegão, civil - não faz diferença. Quando você ouve alguém gritar, ‘Médico, Médico, Médico,’ isso só significa uma coisa: problemas. Então, você vai."

A citação para a medalha registra sua "imensa coragem, disposição para colocar sua própria vida em risco e coragem absoluta".  Revela que ela salvou a vida de um guerreiro e agiu como uma inspiração para seu pelotão e para seus parceiros do Exército Nacional Afegão.

"Ah, mas não menciona o local onde eu caí", ela sorri, parecendo mais uma recruta Benjamin do que uma heroína de guerra moderno. E então, ela reconta sua história que, como muitas notas de rodapé da história militar, contém tanto caos como comédia, coragem e compaixão.

"Estávamos patrulhando um complexo nos arredores de uma aldeia, quando o tiroteio começou. Um homem caiu, cerca de 70 metros na minha frente. Ele estava com os soldados britânicos e afegãos em uma vala no fundo de uma colina. Eu podia apenas vê-los, mas não podia falar, pois havíamos perdido as comunicações.”

A Military Cross, instituída para premiar os integrantes do Exército Britânico que se destacam por atos de heroísmo e bravura


"Eu tinha meu colete balístico e meu capacete, e estava carregando meu fuzil SA80, bem como o meu kit de trauma de campo de batalha. É pesado,  pois contém fluidos intravenosos e água, rações, medicamentos, torniquetes e equipamentos para vias aéreas, para não mencionar a maca dobrável amarrada de um lado e o detector de minas, amarrado do outro.”

"Eu tinha corrido não mais do que um par de metros, a partir do local em que eu tinha me abrigado, quando eu caí sobre algo - terreno irregular, meus próprios pés, eu não sei. Eu simplesmente fui para o chão.”

"Eu fiquei muito, muito envergonhada, mas constatei que, no calor da batalha com balas voando por todos os lados, meu pelotão estava muito ocupado para notar. Então eu me levantei e continuou correndo”.

"O homem ferido era um soldado do Exército Nacional Afegão (ANA), cuja pélvis tinha sido quebrada por balas.  Ele estava profundamente em choque, perdendo e recobrando a consciência."

"O soldado que o atendia estava fazendo um trabalho brilhante, mas ele era um franco-atirador e era necessário para a luta. Eu não podia deixá-lo fazer o meu trabalho
", disse Kylie.

Sob uma intensa troca de tiros entre seu pelotão e os combatentes do Taleban, ela estancou o sangramento da vítima com pacotes de medicação e aplicou uma tala em sua pélvis, antes que um helicóptero Chinook chegasse para levá-lo ao hospital em Camp Bastion, QG e base  do Exército Britânico.

Todo o "contato" durou, ela estima, não mais do que 40 minutos, após o que ela e o resto da patrulha voltaram para sua base em Checkpoint Azadie na 'Zona Verde' de Helmand, uma área de vegetação exuberante irrigada pelas vias navegáveis do Rio Helmand. "Eu não me preocupei com ele. Foi apenas mais um dia no Afeganistão ", ela reflete.

Foi no Checkpoint Azadie que a cabo Watson passou a maior parte de seus seis meses, em meados de 2010. Como os colegas que serviram com ela no 9º Pelotão da Companhia 'C' do 1º Batalhão do Regimento do Duque de Lancaster, ela vivenciou um período de dificuldades.

Ela dormia enrolada em um poncho, lavado a cada dois dias em um chuveiro de campanha (um saco plástico preto com uma de mini-mangueira adaptada) e completava suas rações do Exército com pacotes de alimentos enviados de casa.

A cabo Kylie Watson, de 23 anos, é um das apenas quatro mulheres na história a ser condecorada com a Military Cross


No acampamento ela realizava atendimentos em geral dos soldados de infantaria, que lutavam contra os horrores gêmeos de meados do verão no Afeganistão: calor escaldante e poeira. Como a única paramédica, ela saiu em todas as patrulhas de rotina.

Foi em uma patrulha que ocorreu o segundo ato de bravura que contribuiu para MC de Kylie. "Saímos em uma patrulha ao nascer do sol", diz ela. "Tratava-se de atravessar o rio a pé, que era sempre bom para uma risada, pois eu tenho apenas 1,55m de altura e o rio vem até em algum lugar entre minha cintura e meu pescoço, dependendo da profundidade."

“Eu subi para fora pingando lama verde e lodo. Então chegamos a uma enorme vala. Os caras de infantaria podiam saltá-la, mas eu não. Um deles deitou-se para fazer uma ponte humana para eu atravessar. O que posso dizer? Eu caí para o lado e fui de cabeça no fosso. Fiquei completamente debaixo d'água e tive de ser rebocada para fora.  Com os caras rindo, pensei: obviamente, vai ser outro dia bom ...”

"Nós patrulhamos um pouquinho mais e tínhamos apenas parado para uma pausa quando os tiros iniciaram. O comandante dos soldados do ANA adidos à nossa patrulha  veio correndo por uma trilha em nossa direção - ele correu cerca de 25 metros com as balas voando ao redor dele, gritando por um médico. O sargento de pelotão e eu corremos de volta atrás dele."

"Vimos um de seus homens em terreno aberto e eu corri para a frente a fim de atendê-lo. Havia disparos em ambas as direções, mas ... bem, nada disso parecia estar destinado a mim.”

"A vítima não tinha pulso e não estava respirando. Tinha um pequeno orifício de entrada em seu peito, mas não havia ferida de saída. Comecei a ressuscitação cardiopulmonar [RCP]. Então, o sargento do pelotão disse: 'Kylie, você viu onde estamos?' E eu olhei à minha frente e para o lado e percebi que estávamos em terreno completamente aberto. 'Certo', eu disse. "Eu acho que devemos voltar."

"Três caras vieram para ajudar e nós evacuamos o soldado sob fogo. Eu continuei com a RCP e um de seus companheiros lhe deu um beijo da vida.”

"Nós lutamos e lutamos, até que o helicóptero veio. Eu não iria desistir, mas não podia trazê-lo de volta. Às vezes você não pode mudar o resultado. Você não pode salvar todo mundo, você apenas tem que saber que você fez o seu melhor.”

Kylie prestou seus respeitos ao soldado morto em um memorial retido na Azadie, mas suas emoções são as de uma profissional controlada. "O que acontece no Afeganistão permanece lá", diz ela com firmeza, sem vontade de deixar horrores operacionais infiltrarem-se em sua vida em casa, feliz de volta no Reino Unido.

Kylie nasceu em Ballymena, Antrim, onde foi criada em uma família grande e feliz, de cinco filhos, pelos pais Glenn e Lorna. E enquanto sua MC encheu de orgulho seu regimento, lhe rendeu uma dura de sua mãe: "Kylie! O que você fez? Da próxima vez, por favor, não.”

Sua família não tem histórico de serviço militar, mas uma infância contra o cenário dos problemas da Irlanda do Norte levou seu interesse no Exército. Ela se alistou em 2006. "Eu poderia me imaginar sendo um soldado, fazendo algo para ajudar", ela lembra.

Após o treinamento básico e estudar por oito meses medicina de campo de batalha, ela se juntou ao Corpo Médico em setembro de 2007.  No ano seguinte, foi em seu primeiro turno operacional, servindo seis meses em Basra, no Iraque, onde ela participou de patrulhas, cuidando da saúde em campanha, e treinava médicos do exército iraquianos. Retornou ao Reino Unido para estudar e se qualificar como um paramédico Classe 1, capaz de atuar sozinha.

Como a única mulher em uma equipe operacional de cerca de 20 homens,  ela está acostumado a ser tratada com respeito afetuoso no acampamento e igualdade.  Não se surpreendeu ao encontrar dificuldades no trato com cidadãos. "Quando cheguei ao soldado afegão que tinha sido atingido na pelve, o intérprete começou a dizer: ‘Mas você é uma mulher.’  Eu o parei ali e disse: 'Ele vai ser tratado goste ou não.'"

“Não foi um grande feito para mim. Eles podem pensar o que quiserem, mas quando você tem a vida de alguém em suas mãos, você deve fazer o que puder.”

No entanto, ela ficou um pouco irritada com alguns dos comentários on-line que se seguiram ao anúncio da concessão de sua MC, afirmando ser um ato de tokenismo ou um ato politicamente correto, ao invés da justa recompensa para atos de heroísmo para premiar qualquer soldado. "Aqueles que dizem isso são bem-vindos para pegarem o meu kit e ir ao Afeganistão por seis meses. São bem-vindos para usar minhas botas e ser eu", diz ela, acrescentando que não pode esperar para retornar às operações porque "Acho que fiz tudo certo até agora".

Modestas palavras de uma soldado cuja humanidade e coração bravo levaram-na para o calor da batalha para ajudar os outros.

O lema do Real Corpo Médico do Exército é In Arduis Fidelis (fidelidade na adversidade), que a cabo Kylie Watson MC honrou e comprovou.

Fonte: Daily Mail

 

2 comentários: