"No próprio dia da batalha, as verdades podem ser pinçadas em toda a sua nudez, perguntando apenas;
porém, na manhã seguinte, elas já terão começado a trajar seus uniformes."

(Sir Ian Hamilton)



sexta-feira, 9 de março de 2012

O SACRIFÍCIO DA UMA LENDA




Nos primeiros movimentos da 2ª Guerra Mundial, a tradicional Cavalaria polonesa enfrentou os blindados alemães.  O resultado do enfrentamento selou o destino do cavalo no campo de batalha convencional.


A tradição da cavalaria polonesa sobreviveu a 125 anos de ocupação estrangeira, e, quando a nação finalmente tornou-se independente, em 11 de novembro de 1918, uma nova cavalaria polonesa surgiu. Meros 18 meses depois, seus sucessos já estavam sendo aclamados: em agosto de 1920 ela lançou um ataque surpresa contra a cavalaria vermelha do marechal Budenny, que tinha atingido os subúrbios de Varsóvia e estavam avançando em direção a Thorn. A intervenção da cavalaria salvou a Polônia.
.


Valentes, mas mal organizadas

Havia 37 regimentos – em oposição a 90 regimentos de infantaria – um bom indicativo da importância dada ao cavalo e seu cavaleiro no Vístula, daquele ponto em diante. De fato, a cavalaria polonesa era um serviço estratégico totalmente autônomo.  Contudo, de forma paradoxal, não havia uma doutrina atualizada para gerenciar o uso de unidades de cavalaria, das quais havia tantas. A infantaria, por exemplo, ao invés de receber a missão de defender uma posição, era lançada em uma grande variedade de manobras móveis, apesar de não ser motorizada; enquanto isso, a cavalaria, altamente móvel, seria usada em tarefas de defesa, onde sua manobrabilidade superior era inútil.  O segundo erro grave era que a cavalaria não era organizada em grandes unidades – em divisões, por exemplo – que poderia dar a ela um significativo poder de combate. Pelo contrário, as brigadas existentes eram enfraquecidas pelo uso de destacamentos de regimentos inteiros para tarefas secundárias. Todas as onze brigadas de cavalaria estavam concentradas ao longo da fronteira com a Alemanha. O grosso da cavalaria polonesa, cerca de 70.000 cavaleiros, estava espalhado por todo a enorme frente e, em consequência, não podia assumir nem uma função estratégica nem um papel tático em 1939.  A única exceção era a Wolynska Brygada Kawalerii (Exército de Lodz).

O poder de fogo de um regimento de cavalaria era equivalente a de um batalhão de infantaria, mas a cavalaria não tinha morteiros. Em números, um regimento de cavalaria, quando desmontado, tinha a força de apenas duas companhias de infantaria. O serviço militar na cavalaria durava 23 meses. Os oficiais de cavalaria eram recrutados entre as classes latifundiárias.
.
Soldado e oficial da Brigada de cavalaria Pomorska com uniforme de combate, 1939


Uma característica histórica sobrevivente da cavalaria polonesa era a lança – uma arma de choque consistindo de uma haste tubular metálica, com cerca de três metros de comprimento, com um fiel de couro, pesando cerca de 2,10 kg. Abaixo de sua afiada ponta de quatro gumes ficava uma pequena bandeirola, com cerca de 20 cm de largura e 50 de comprimento, com as cores regimentais. A lança não era usada como arma, mesmo em manobras, desde 1934, e, depois de abolida, só era carregada nos carroções da bagagem. De forma estranha, as tropas de cavalaria readotaram esta arma aparentemente obsoleta nos campos de batalha em 1939. Somando-se a ela, cada cavalariano tinha um fuzil, um sabre, uma baioneta, uma pequena ferramenta de sapa, máscara de gás, mochila, apetrechos de cozinha e um capacete de aço francês redondo (modelo Adrian). Oficiais e suboficiais podiam ser reconhecidos de soslaio por suas botas de montaria de corte elegante, que provaram ser uma forma clara de identificação para os atiradores de precisão alemães. As selas da cavalaria e da artilharia a cavalo, muitas vezes, datavam dos dias da velha monarquia.

A cavalaria polonesa foi a última força completa estratégica montada a manter sua forma original. E, com o fim da guerra germano-polonesa de 1939, veio o abandono de uma força que era diferente apenas em detalhes das unidades de cavalaria do século XIX. A profunda lealdade dos soldados a seus regimentos e as longas tradições regimentais tornavam a cavalaria a arma mais respeitada nas forças polonesas.
,
,


Forte na teoria e fraco na prática
,

O Exército Polonês não conseguiu equiparar-se a seus atacantes, seja em números ou em equipamento. O grosso da cavalaria polonesa – mais de 20.000 homens – estava disperso de forma convencional nos últimos dias de agosto, ao longo de todos os 1.500 km de extensão da fronteira entre a Polônia e a Alemanha. O exército polonês estava sob o comando do Marechal Edward Rydz-Smigly, com 55 anos, famoso por ser um excelente atirador.

Devido ao medo do início das hostilidades, os aliados ocidentais – França e Inglaterra – tinham pedido, e conseguido, que a Polônia não se mobilizasse, para não criar um casus belii com a Alemanha. Desta forma, somente em 30 de agosto (dois dias antes da invasão) é que as ordens de mobilização foram despachadas para os reservistas, o que fez com que todas as divisões e regimentos do exército polonês estivessem despreparados para a campanha – na verdade, sete das trinta divisões estavam ainda se reunindo no momento da invasão.

A isso se somava a falta de equipamentos moderno: apesar dos poloneses terem um número razoável de blindados (cerca de 700), esses eram de modelos obsoletos e mal armados (geralmente autometralhadoras TKS), incapazes de enfrentar até mesmo os mais fracos tanques alemães – que além disso, eram muito mais numerosos. O mesmo se repetia em todos os detalhes: faltavam armas anticarro, antiaéreas, veículos motorizados, etc. A pequena marinha polonesa, apesar de seus esforços, era totalmente inadequada para enfrentar o inimigo. Em menor escala, pode-se dizer o mesmo de sua força área: 500 aparelhos, a maior parte deles obsoletos quando comparados aos 1.600 aviões alemães.

Uniforme e equipamentos da cavalaria polonesa


O Exército Polonês estava disposto em seis exércitos e quatro “grupos”: o Grupo Narew e o Exército de Modlin, na fronteira com a Prússia Oriental e na fronteira com a Alemanha, de norte para sul, o Exército da Pomerânia, o de Poznan, o de Lodz e o de Cracóvia, com o exército dos Cárpatos na fronteira Eslovaca. A esses exércitos, somavam-se os grupos de Wyskow, Kutno, Prusy e Tarnow, em reserva. Cada uma dessas grandes unidades tinha uma ou duas brigadas de cavalaria. Não havia forças cobrindo a fronteira com a URSS – de fato, não havia forças a leste do Vístula, a não ser as que estavam cobrindo a fronteira com a Prússia Oriental.
.


A primeira carga de cavalaria
.
Ao iniciar a guerra, o exército polonês,  que teoricamente era uma força poderosa, tinha planos de atacar a Alemanha em caso de guerra. Por exemplo, a Brigada de Cavalaria Podolska, parte do Exército de Poznan, tinha como objetivo teórico o ataque a Berlim.

Entre as forças com funções de ataque, estava a Brigada de Cavalaria Pomorska (Pormoska Brygada Kawalalerii), do Exército de Pomorze (Pomerânia), estaciona-da no corredor polonês e formada pelo 16º Regimento de Ulhanos (tradicional cavalaria ligeira, lanceiros, da polônia) – “Wielkopolskich”, pelo 18º Regimento de Ulhanos “Pomorskich”, pelo 8º Regimento de Infantaria Montada, pelo 11º Regimento de Artilharia Montada e pelo 2º Batalhão de Infantaria Ligeira. Esta tinha força tinha ordens de dar um golpe de mão contra a cidade livre de Dantzig. Contudo, a rapidez da invasão alemã impediria qualquer ação ofensiva.

Ao meio dia de 1º de setembro, no assim chamado Corredor Polonês, a 20ª Divisão Panzergrenadier alemã estava no seu caminho para o oriente, em direção a Chojmice.  Por volta de 2 da tarde, havia um forte combate entre a vanguarda da divisão e o 18º Regimento de Ulhanos poloneses, da Brigada de Cavalaria “Pomorska”, ao longo da linha férrea entre Chojmice e Naklo. Os ulhanos receberem ordem de contra-atacar, para permitir que sua própria infantaria pudesse recuar. No bosques próximos à vila de Krojanty, os cavaleiros se organizaram em ordem aberta. Foi no final da tarde quando o 1º Esquadrão do 18º Regimento de Ulhanos apareceu no flanco das colunas alemãs. Quando o ajudante do regimento, Capitão Godlewski, ouviu a ordem para atacar, ele perguntou se não seria melhor a cavalaria desmontar antes de atacar. “Jovem”, disse o comandante do regimento, Coronel Mastalerz, “sei bem o que é obedecer uma ordem impossível de ser cumprida”.

Por volta das 17:00, o major Malecki levantou seu sabre e, com este sinal, a cavalaria lançou seu assalto – a primeira carga de cavalaria da 2ª Guerra Mundial.
.
A Cavalaria polonesa carregando


Mesmo antes de deixar o bosque, eles começaram a sofrer o fogo de metralhadoras da vanguarda alemã.  A cadeia de cavaleiros colocou seus cavalos a trote, então a galope – movendo-se rapidamente para frente e para longe do campo aberto, com sua pouca cobertura. Bem curvados sobre os pescoços de seus cavalos, carregaram com seus pesados sabres de cavalaria mantidos retos a frente. Os primeiros mortos e feridos caíram de seus cavalos. A despeito disto, o ímpeto da carga cresceu, mais ainda quando o 2º Esquadrão juntou-se ao ataque.  Uma ampla onda de cavalaria, composta de cerca de 250 homens, rompeu pelo campo aberto, sabres brilhando ao sol; a infantaria alemã, pega de surpresa, tentou salvar-se recuando.  De repente, pela curva da rodovia, uma longa coluna de tanques e tropas motorizadas apareceu.  Inicialmente, no calor da refrega, ela passou despercebida pelos ulhanos. Os poloneses foram então atingidos por uma chuva de fogo partindo dos carros blindados e, antes que fossem capazes de fazer a volta com seus cavalos, a carnificina começou. Cavalos tombavam, enquanto outros disparavam, puxando seus cavaleiros pelos estribos com eles. Figuras em uniformes cáqui caiam de suas selas.  Um baixo toque de clarim foi ouvido, acompanhando os gemidos de angústia dos feridos. Aqui e ali, grupos isolados de cavaleiros voavam pelo campo, e montes escuros estavam caídos ao longo da estrada. Montarias sem cavaleiros corriam pelos campos, seus estribos balançando soltos e suas rédeas abananado. O capitão Swiesciak, que tinha liderado a carga, caiu ao solo com seu cavalo, e o comandante regimental, coronel Mastalerz, foi morto enquanto corria para ajudá-lo com alguns ulhanos. No espaço de alguns momentos, metade dos ulhanos tinha sido atingida.

Com esta carga de cavalaria em Krojanty, em 1º de setembro de 1939, nasceu a lenda da cavalaria polonesa, armada só com sabres, desafiando os panzers alemães. Mas, na verdade, deve ser dito que os ulhanos poloneses não buscavam o suicídio, nem que era um movimento deliberado da parte deles lançar um ataque direto contra tanques. Mais tarde na guerra, é desnecessário dizer, houve vários outros ataques feitos contra a infantaria alemã, que levaram os alemães a chamarem o apoio de tanques; e ainda mais, houve alguns casos da cavalaria polonesa ter sido atacada por tanques. Mas para os ulhanos em Krojanty, a única chance de sobrevivência era tentar uma manobra arriscada, tão rápido quanto possível, de forma a passarem pela coluna inimiga. Não esperavam que a coluna blindada alemã aparecesse no campo de batalha e quando ela o fez, foram totalmente surpreendidos. De agora em diante, as forças de cavalaria polonesas tinham encontrado um oponente capaz de derrotá-la.
.


Derrota.

Pouco depois deste primeiro embate, surgia o ponto de inflexão de toda a campanha. Em 3 de setembro, o terceiro dia da invasão da Polônia, o Marechal Rydz-Smigly, escreveu: “todo a frente polonesa entrou em colapso e não há outra alternativa a não ser retirar-se imediatamente para trás do Vistula, se isso for possível”.
O fim era só questão de dias.
.
Soldados alemães observam cadáveres de cavalarianos poloneses mortos em combate em setembro de 1939


A Brigada Pomorska, que tinha feito o ataque em Krojanty, seria dizimada quando tentava fugir do cerco de Swiecie. As tropas remanescentes se juntaram à artilharia do exército de Poznan, que tinham se retraído para o rio Ner. No dia 12 de setembro, os regimentos lutaram em Ozorków, formando a retaguarda ocidental do exército de Poznan, quando este forçava o seu caminho até Varsóvia, para lutar no cerco da cidade. Os poucos remanescentes da unidade tomaram parte no combate da floresta de Campinos, onde diversas elementos conseguiram romper as linhas alemães, chegando a Varsóvia, junto com outras unidades do grupo Narew e dos Exércitos de Poznan e da Pomerânia.

Em Varsóvia foi formado um imenso bolsão. Este, contudo, não tinha a mínima esperança de apoio externo. Na verdade, a sorte da Polônia foi decidida totalmente no dia 17, quando a União Soviética invadiu a Polônia com 24 divisões de infantaria, 15 de cavalaria e 9 brigadas blindadas.  A rendição era o único caminho – Varsóvia sofreu um terrível bombardeio no dia 27 e no dia 28 capitulou. A última porção de território controlado pelos polacos, a península de Hela, se renderia em 1º de outubro, exatamente um mês desde o início da ofensiva. Diversas unidades, especialmente de cavalaria, recusaram a capitulação imediata, procurando fugir para a Lituânia ou para a Hungria – alguns regimentos das tropas do Exército de Modlin chegaram a atravessar a Polônia de norte para o Sul, conseguindo ser internadas na Hungria. Mais tropas teriam conseguido isso se não fosse a terrível perseguição dos soviéticos.

As últimas tropas a se renderem foram os elementos uma força mista, composta por elementos de duas brigadas de cavalaria (Grupa Operacyna Kawalerii e a Brigada “Podlaska”) e duas divisões de infantaria (50ª “Brzoza” e 60ª “Kobryn”), cerca de 15.000 homens (mais ou menos o mesmo efetivo que uma só divisão alemã). Estas unidades tentaram abrir o caminho a força para a Hungria, chegando até próximo a Lublin, no meio da Polônia, no dia 2 de outubro, onde combateram contra duas divisões Panzergrendieren alemãs (13ª e 29ª). Paralisados pelas forças germânicas, as tentativas de furar o cerco foram infrutífe-ras, as tropas recebendo ordens de se render no dia 6 de outubro.

A campanha da Polônia tinha terminado e, com ela, os dias de glória da cavalaria a cavalo.
.
Fonte: PIEKALKIEWICZ, Janusz. The Cavalry of World War II. Historical Times, 1987.


.

Um comentário: